quarta-feira, 24 de maio de 2017

Inveja do Pénis & Obsessões Urinárias

O caso mais interessante é o de Florrie recolhido por Havelock Ellis (Psycology of sex), e cuja análise Stekel retomou posteriormente. Dou portanto aqui o relato minucioso do caso:

Trata-se de uma mulher muito inteligente, artista, ativa, biologicamente normal e não invertida. Conta ela que a função urinária desempenhou papel importante na sua infância; brincava aos jogos urinários com os irmãos e molhavam as mãos sem nenhuma repugnância: 

“As minhas primeiras concepções da superioridade dos homens relacionaram-se com os órgãos urinários. Ressentia-me da Natureza por me ter privado de um órgão tão cómodo e tão decorativo. Nenhuma chaleira privada do seu bico jamais se achou tão miserável. Ninguém precisou insuflar-me a teoria da predominância e da superioridade masculinas. Tinha uma prova constante sob os olhos”.
 
Ela própria experimentava grande prazer em urinar no campo. 

“Nada se lhe afigurava comparável ao ruído encantador do jato sobre as folhas mortas em um recanto de bosque e ela observava-lhe a absorção. Mas o que mais a fascinava era urinar na água.” 

É um prazer a que muitos rapazes são sensíveis e há toda uma série de estampas pueris e vulgares que mostram rapazes urinando em tanques ou regatos. Florrie queixa-se de que a forma das suas calças a impedia de se entregar às experiências que quisera tentar; muitas vezes durante os passeios no campo, acontecia-lhe reter a urina o mais possível e, bruscamente, aliviar-se de pé. 


“Recordo perfeitamente a sensação estranha e proibida desse prazer e também meu espanto de que o jato pudesse sair quando eu estava em pé.” 

A seu ver, as formas das roupas infantis têm ‘muita importância na psicologia da mulher em geral. 

“Não foi apenas para mim uma fonte de aborrecimentos ter de desfazer-me das calças e depois abaixar-me para não lhe sujar a frente. A parte de trás, que deve ser puxada e deixa as nádegas a nu, explica por que, em muitas mulheres, o pudor situa-se atrás e não na frente. A primeira distinção sexual que se impôs a mim, na verdade, a grande diferença, foi verificar que os rapazes urinavam de pé e as meninas agachadas. Foi provavelmente assim que meus mais antigos sentimentos de pudor se associaram às minhas nádegas mais do que a meu púbis.” 

Todas essas impressões assumiram, em Florrie, importância extrema porque o pai chicoteava-a frequentemente até fazer sangue e uma governante, certa vez, batera-lhe a fim de obrigá-la a urinar; ela era obcecada por sonhos e fantasias masoquistas em que se via açoitada por uma preceptora sob os olhos de toda a escola e urinando, então, contra a vontade, “ideia que me causava uma sensação de prazer realmente curiosa”. Aos 15 anos, aconteceu-lhe urinar de pé, na rua deserta, instada por uma necessidade urgente. 

“Analisando as minhas sensações, penso que a mais importante era a vergonha de estar em pé e o comprimento do trajeto que o jato deveria percorrer entre mim e a terra. Essa distância fazia disso algo importante e visível, ainda que que vestido o escondesse. Na atitude habitual havia um elemento de intimidade. Quando criança, o jato, mesmo grande, não podia percorrer um longo trajeto; mas, com quinze anos e alta, senti vergonha em pensar no comprimento do trajeto. Tenho certeza de que as senhoras às quais me referi, que fugiram apavoradas do mictório moderno de Portsmouth, consideraram muito indecente para uma mulher ficar em pé e de pernas abertas, levantar as saias e projetar tão longo jato por baixo.” 

Florrie recomeçou aos vinte anos a experiência e a repetiu, posteriormente, muitas vezes; sentia uma mistura de volúpia e de vergonha à ideia de que podia ser surpreendida, sendo-lhe impossível parar. 

“O jato parecia sair de mim sem meu consentimento e, no entanto, causava-me maior prazer do que se o houvesse feito voluntariamente"

Essa sensação curiosa de que é tirado de nós por algum poder invisível, que decidiu que o faríamos, é um prazer exclusivamente feminino e de um encanto sutil. Há um encanto agudo em sentir a torrente sair em virtude de uma força mais poderosa do que nós mesmas.” Posteriormente, Florrie desenvolveu em si um erotismo flagelatório sempre acompanhado de obsessões urinárias.


segunda-feira, 22 de maio de 2017

O Mérito da Batata

Vamos fazer o seguinte exercício: imaginemos uma mulher que hoje se sente muito feliz depois de duas longas relações. 

Numa primeira relação tinha um companheiro que, enquanto não descobriu, lhe punha os cornos com qualquer outro rabo de saia que mexesse; o sexo durava entre três a quatro minutos e  acabava no momento em que acabava de se vir. As discussões eram constantes e não a respeitava minimamente. 

Depois conheceu um outro homem que sempre a tratou bem e a respeitou. O sexo era excelente e nunca tinha tido tantos orgasmos como até então. Tudo corria às mil maravilhas e sentia-se muito feliz. 



Respondam-me então: de quem é a responsabilidade para que esta mulher se sinta agora feliz? Do primeiro homem ou do segundo homem?

É que hoje, liguei o rádio, e num daqueles fóruns de opinião pública, ouvi umas quantas pessoas a dizer que o mérito para que Portugal tivesse saído do "Procedimento por Défice Excessivo" era do governo anterior, que enterrou o país em austeridade.

Isto seria o mesmo que dizer que, o responsável para que esta mulher hoje se sinta feliz, foi do gaijo que a tratou tão mal!! Pois se ele não a tivesse encornado e tratado muito mal, hoje ela nunca que seria feliz! E isto é o mérito da batata!

Correios Privados de Portugal: um Serviço de Merda

Sempre que se privatiza uma empresa pública, lá nos vêm com a ladainha do costume, que iremos ter um melhor serviço, ou que vai passar a existir concorrência e consequentemente melhores preços. Mas já estamos habituados: é sempre ao contrário! Os serviços passam a ser piores, enquanto que por outro lado os preços disparam. No privado vão sempre fazer pior daquilo que se fazia no público, simplesmente porque as empresas vão-se focar, não olhando a meios para terem lucro, e não em prestar um serviço de qualidade. 

Salvo raaras exceções, eu nunca tive que dizer do serviços dos CTT, Correios de Portugal. Enviei e recebi milhares de encomendas. Houve uma vez que enviei uma encomenda para as ilhas, num valor de cerca de 60€, em correio normal, não sendo assim possível rastrear a encomenda. A pessoa advertiu-me que ainda não tinha recebido a encomenda, e eu fiz meia dúzia de telefonemas e lá se conseguiu saber em que posto dos correios é que a encomenda foi parar. 

Mas entretanto os senhores ministros Passos Coelho e Paulo Portas privatizaram este setor estratégico dos correios, um serviço que era reconhecido como sendo um dos melhores do mundo, transformando Portugal no único país da União Europeia com um serviço de correios privados. 

E aos poucos, desde 2013, data da privatização, tudo começou a mudar. E começou a mudar para pior. Já no início deste ano, até o próprio primeiro-ministro António Costa, classificava como "inaceitável" os atrasos dos CTT na entrega das pensões dos pensionistas portugueses. 


E também eu comecei a notar essa degradação do serviço, mas o cúmulo chegou agora este mês. Fiz duas encomendas de livros, separadas de uma ou duas semanas, e tanto uma como outra, demoraram seis dis úteis a chegar! Seis dias úteis! Estamos a falar do dobro do prazo máximo que os Correios dão para um envio! No máximo, uma encomenda em correio normal, pode demorar até três dias úteis!! 

Mas ainda há um terceiro caso, ainda mais gritante! Deixei uma encomenda de 16Kg no posto dos correios da minha aldeia para depois ser despachada, pois o sistema não estava a funcionar. A funcionária, minha conhecida, havia-me dito que aquilo deveria ficar entre 15 e 20€. Mas uma surpresa estava-me reservada quando lá passei para pagar: 35,66€!!
Eu com este valor, quase que podia apanhar um avião, entregar a encomenda em mãos em Lisboa, e ainda ir passear e depois regressar ao Porto! 35€ ? Mas está tudo louco? 

E agora que os CTT são privados, lembraram-se, vejam bem, de abrir um Banco! Mas eu já percebi o esquema! Abrem um banco, porque entretanto se a empresa falir, depois somos nós, como sempre, que o vamos pagar!


quinta-feira, 18 de maio de 2017

O Amor vai-nos Foder... outra vez




"Love Will Tear Us Apart" / Joy Division /1980




... e como é possível eu ter ouvido esta música agora, ter decidido colocá-la aqui, ter ido pesquisar pelo túmulo do Ian Curtis, olhei para a data e: faz hoje 37 anos que o homem se suicidou.... Que raio de pontaria...

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Eu tenho Horror a pobre!

E de repente parece que estava a ouvir o Paulinho das Feiras que, coitado, certa vez, disse, orgulhoso do seu feito, que até já tinha dormido em hotéis de três e quatro estrelas! Vejam lá o sacrifício! Coitado, o que ele deve ter sofrido. misturado com a plebe, logo ele ,que é monárquico e tudo, apesar de mamar à grande nas tetas corruptas da República. 

E agora é a sua pupila, Assunção Cristas, que até veste calças de ganga e botas, a sua fatiota de proteção, para quando tem de se misturar com os pobrezinhos, que sabe-se lá, que doenças lhe podem passar, isto enquanto tenta indrominar mais uns quantos.



terça-feira, 16 de maio de 2017

Passos: diz que a Culpa é do Benfica!

Ó Passos, tu passavas a vida a dizer que vinha aí o Diabo, que era em Setembro do ano passado. A tua ministra das Finanças, aquela especialista em SWAPS e em tachos, dizia que era impossível o governo apoiado pelos comunistas cumprirem a meta do défice. E vinha ai o Diabo porque o desemprego ia aumentar e iria ser preciso um novo resgate financeiro. Porque o governo de esquerda estava a devolver os direitos que tu, meu incompetente de merda, andavas a roubar. Este governo devolveu salários, devolveu a tua sobretaxa de IRS e até os feriados este governo devolveu, feriados e salários que tu roubaste, e depois obtiveram o défice mais baixo da democracia portuguesa!

Sim, que tu roubaste. Tu que tantos salários e subsídios de férias roubaste, até feriados nos roubaste. Tão forte que tu foste com os mais fracos e os mais pobres, e tão meiguinho foste para não incomodar os mais ricos e os patrões e o teu governo até fechou os olhos aos milhões que voavam para paraísos fiscais. Vê lá que até doentes crónicos como eu, tu puseste a pagar consultas e todos os outros exames necessários, quando a Constituição diz que a saúde deve ser tendencialmente gratuita. Constituição que juraste cumprir e lhe cagaste sempre em cima, como nunca antes um primeiro-ministro havia feito. Saúde que tu quiseste privatizar para dar tachos aos teus amigos das clínicas privadas. 

Tu que nos mandaste emigrar e nos chamaste de piegas. Tu que não aumentaste o salário mínimo durante todos os anos que estiveste no poleiro, e que foram quase cinco anos. E que ainda tiveste a distinta lata de dizer que este aumento do salário mínimo era "excessivo"?


Roubos e mais roubos e depois vai-se a ver, e no final do teu mandato ainda tínhamos mais dívida para pagar, mais do que aquela que tínhamos quando lá chegaste. Tu que mentiste com todos os dentes que tinhas na boca, dizendo em campanha eleitoral que bastava de austeridade e de PEC. Dizias que bastava cortar nas "gorduras do Estado" e que era mentira quando o Sócrates dizia que se ganhasses as eleições ias foder esta merda toda. Roubaste e mentiste e até te transformaste no político português mais coerente: és aquele que mente sempre!

E apesar de tantos cortes e roubos ainda ficamos pior. E eu disse-te aqui porquê. Porque governar um país não é gerir um orçamento familiar.

Mas tu infelizmente não sabes mais. Tenho pena de ti. O outro ao menos ainda foi estudar. Tu estás aí agarrado à cadeira porque não sabes fazer mais nada. Olha, faz-te à vida, sai da tua zona de conforto. Faz algo pelo teu país.Vai trabalhar pois só dás despesa e todos nós ainda temos que te pagar o salário chorudo de deputado. E tu não vales um chavo, não vales um cêntimo que te pagamos. 

E depois de há um ano atrás teres vindo avisar que o país não estava a crescer por causa das políticas de esquerda, vens agora, um ano depois, com grande lata, dizer que o mérito do aumento das exportações e do crescimento económico é teu? Mas tu estás bem da cabeça? Meteste-te no álcool depois de teres percebido que em democracia, são os deputados que elegem governos foi? Pensavas que ias continuar no poleiro porque os portugueses têm todos síndrome de Estocolmo não é? Pois é, contaste com o ovo da galinha antes dela o pôr e bem de fodeste. Ardiloso como é, o Costa tirou-te o tapete! 

Olha, está mas é caladinho ou então borra a tua cara com merda, pois sempre que abres a boca só sai mesmo asneira. Olha, sabes o que podes dizer? Fica mais bonito, tem graça e toda a gente se vai rir? 

Olha, diz que a culpa do país estar melhor é do Benfica!

sábado, 13 de maio de 2017

Eu também dava a minha Casa a esta Refugiada!


Este casal inglês recentemente casado (sentado na imagem) ofereceu a esta refugiada síria um quarto na sua casa e nenhum deles sabia o que esperar. Ela acabou ficando seis meses, e as mulheres tornaram-se como irmãs.

(Pudera! Com uma refugiada destas mau era! Com uma refugiada destas eu até lhe dava a casa! Se calhar até me convertia!)

As mulheres britânicas são muito naturais e eu aprendi com Lucy que é na boa sair de casa sem qualquer maquilhagem; Em Damasco nunca sonharia em sair com a cara nua. 
(Loujean Alsaman)

Recentemente nós estávamos a trocar mensagens e ela pediu desculpa para me dizer que ela teria que ir, porque precisava de se preparar para uma festa de aniversário naquela noite. Ela foi às 3 da tarde. 
(Lucy)

Reportagem do The Guardian aqui

sexta-feira, 12 de maio de 2017

Rapariga do Desconhecido



...Girl of the unknown
I desire you now... tonight



Moonlight Girl / Diva / Heavenwood / 1996


A Vergonha da Tolerância de Ponto por causa do Papa

Nesta 6a feira, 12 de Maio de 2017, eu tive de levantar a peida da cama cedo e ir trabalhar oito horas. Outras pessoas houve, que apesar de também viverem no mesmo país que eu, e terem emprego, viram o seu dia pago pelo simples facto de serem funcionários públicos e com a desculpa da vinda do Papa a Portugal. 



E num só gesto o nosso Primeiro-Ministro António Costa dá dois tiros, um na igualdade de direitos, e o outro no (suposto) Estado Laico. Se não queria descriminar, então que se desse feriado e ponto final, era igual para todos. Quem quisesse ir ver o Papa ia, quem quisesse ir fazer outra coisa qualquer, que achasse mais interessante também tinha essa liberdade. Assim não. Os funcionários púbicos, que já trabalham menos horas por semana, e que têm mais dias de férias, e que tantas vezes, têm uma produtividade miserável, têm assim mais um dia de férias, ao passo que quem trabalha no privado fode-se. Igualdade? Onde?

Depois, se somos um Estado Laico, não tem de haver tolerância de ponto para ninguém por motivos religiosos. Querem ir ver o Papa? Então metam um dia de férias. Mas então, porque raio é que só quando cá vem o líder da seita católica é que há tolerância de ponto? E as outras religiões não têm direito? 

Foi uma vergonha. E nunca na vida que eu votaria num partido que descrimina as pessoas e que não separa o Estado da religião. 

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Por que é que eu não tenho Religião? II

Decididamente, Deus nunca foi à missa aos domingos. E os templos grandiosos ou humildes nunca foram casas de Deus, embora os chefes das instituições religiosas que os mandam construir e os mantêm abertos façam questão de assim os chamar. Mas Deus não está lá. Não mora lá. Pela simples razão de que Deus não gosta de templos, nem de sinagogas, nem de capelas, nem dos cultos, que habitualmente lá têm lugar. 

Às casas de Deus, Ele chama, com todas as letras, desde o profeta Jeremias (7,11) covil de ladrões. E quando, cerca de sete séculos, depois, se faz Deus-entre-nós-e-connosco, em Jesus de Nazaré, o que morava geograficamente longe de Jerusalém, o mesmo é dizer, longe do sumo sacerdote e do templo onde este , regularmente, pontificava, dominava e enriquecia, à custa do santo nome de Deus.

Um dia, quando já homem feito, isto é, verdadeiramente autónomo, quer da família em que nascera e à qual tivera de ser, durante anos, submisso, quer da mentalidade e da ideologia dominantes no seu país, entrou num certo sábado na Sinagoga da terra onde morava. Deram-lhe, pela primeira vez, a palavra, e ele armou lá dentro o maior dos escândalos. (...)



Segundo ele, todos esses rituais sem vida e sem amor que regularmente se realizam nos templos, não passam de encenações com que uma certa elite de senhores que se têm na conta de profissionais ou funcionários de Deus, entretêm e enganam multidões de pessoas que, desde a infância, vivem dominadas pelo medo, até de Deus, e oprimidas por normas moralistas sem moral, e que quanto mais os frequentam, mais impedidas ficam de se libertarem e de crescerem em humanidade e em responsabilidade individual. 

Disse também que Deus não gosta de sacrifícios de vítimas humanas ou animais, realizados em sua honra, nem de cultos religiosos de qualquer espécie, pois, para Ele fazer bem aos seres humanos e aos povos em geral, não está à espera que eles, primeiro, sejam boas pessoas, se portem bem, sejam santos, lhe façam chegar promessas e papagueiem orações, como quem vai mendigar favores diante dos tiranos e déspotas. 

Deus Nunca foi à Missa aos Domingos / E Deus disse: Do que eu gosto é de política, Não de Religião / Padre Mário Oliveira (2002)



Como Comprovar um Milagre?

Ora bem, daqui por dois dias, no 13 de Maio de 2017 faz cem anos que a Igreja anda a enganar os crentes - por alguma coisa se diz "és mesmo crente!" - e então, para se comemorar a efeméride, nada melhor que arranjar assim à pressão um milagre qualquer para canonizar dois pastorinhos (logo os que nada viram! e as voltas que a Lúcia deve estar a dar na campa!) e vai daí, dizem que há uma criança brasileira! (quão conveniente!) que se curou graças a um milagre dos pastorinhos. 



Mas eu tenho um método muito mais eficaz para comprovar realmente que a criança brasileira está a dizer a verdade, e se de facto está protegida pelos santos!

Pega-se no puto e leva-se lá acima da basílica, que nem é muito alta (só tem 18 metros) e manda-se o puto lá de cima. Se perante o grande malho que ele vai dar, chegar cá abaixo, e se levantar pelo próprio pé e fizer um quatro, está comprovado! É milagre!! Caso o puto se esbardalhe todo ao comprido no chão, como é previsível que aconteça, e morra ou vá para o hospital, então, é por demais evidente que estamos perante mais uma, das muitas aldrabices da Igreja Católica. 

terça-feira, 9 de maio de 2017

Sonhos Frágeis


.... Today I introduced myself
To my own feelings...



"Fragile Dreams" / Alternative 4 / Anathema / 1998


segunda-feira, 8 de maio de 2017

Challenge Accepted!


"Mini Table Tennis at the office. Can you find anyone anywhere in the world better than us? We dare you..."

Os gaijos são bons... mas como diria o Barney: Challenge Accepted!

Agora só tenho de arranjar um mini-mesa de ping pong, treinar, e fazer umas filmagens ainda mais espetaculares! Há muito potencial lá na minha empresa, a começar por mim, claro! 

Rainha Isabel em Crestuma

(*Clicar para ampliar e ver com nitidez - ainda não percebi o porque de, com a nova máquina, as fotografias expostas no blogue ficam desfocadas, e só se vêem nítidas clicando para abrir. Talvez um dia descubra o fenómeno)






Barco Queen Isabel junto à Barragem de Crestuma-Lever

(Também nunca percebi porque raio chamam Crestuma-Lever a uma barragem, quando essas duas freguesias são da mesma margem do rio! Isso faria sentido se só tivessem construído metade da barragem. Uma vez que barragem, como uma qualquer ponte, que liga dois pontos separados por umrio,  o correto seria designar a barragem de Jancido-Crestuma (ou Lever). Chamam-lhe Crestuma-Lever porque as povoações andaram em guerra - quase houve mortes! - por causa do nome. Eram outros tempos. Hoje chamava-se-lhe barragem Cristina Ferreira (ou Goucha) e ficavam logo todos contentes.)

Do teu Cu sai o Brilho do Sol

Pareces para o soturno...
Que é que te deu?
'Tou só a perder a minha fé na humanidade.
Queres ser mais específica?
Gostava só de saber...
Duas pessoas podem ficar juntas para sempre?
Falas de casais?
Pois, de gente apaixonada. 
Problemas com o namorado? Não acho que devas andar com nenhum nesse teu estado, é assim para o ... marado. É assim que vocês dizem? Não é a palavra que vocês usam?
Não é do que se trata.


Só pretendo saber se será possível duas pessoas ficarem a viver juntas p'a sempre.
Bom, fácil não é... e sei que não sou o melhor exemplo que haverá no mundo, mas vivo com a tua madrasta já há dez anos e orgulha-me dizer que somos felizes. Para mim o melhor que podes desejar é encontrar quem te ame exatamente como és; com bom feitio, mau feitio, feia, bonita, eu sei lá... 

A pessoa certa vai sempre achar que do teu cu sai o brilho do sol. E gente dessa vale a pena agarrar. 

Juno / Jason Reitman / 2008 

domingo, 7 de maio de 2017

Peregrinos com Inteligência de Tartaruga

Conduzia ontem pela estrada nacional N108 quando me deparo com imensas pessoas, num imenso frenesim, caminhando ao longo da estrada, vestidos de coletes cor-de-laranja. E como já só falta uma semana para se comemorar a mentira mais vezes contada nos últimos cem anos em Portugal, rapidamente percebi que eram os peregrinos, na sua caminhada para Fátima, a maior off-shore dos terroristas do Vaticano. 

Na semana passada fiquei a saber que estes peregrinos católicos são muito porquinhos, deixando um verdadeiro rasto do lixo por onde passam. Porque esta gente - mesmo sóbria! - que acredita que aparecem santas no meio das árvores!, age em conformidade com o pensamento medieval, e comporta-se como se nunca lhes tivessem ensinado, que há muitos anos, se criaram contentores e ecopontos para lá colocar e separar o lixo! E foi mesmo preciso um movimento "Não Lixes a Tua Caminhada" ter alertado, e tentar sensibilizar para este problema. 


Mas centenas de metros mais adiante, fiquei ainda mais estupefacto! Não é que, aquela gente, em vez de, como todos nós aprendemos em criança, caminharem pelo lado esquerdo das estradas, e nos passeios, não!, atravessavam as faixas de rodagem da rotunda de acesso à CREP, por onde circulam os carros, e atravessavam a rotunda a direito! voltando seguidamente a atravessar as faixas de rodagem mais à frente!

Forma inteligente como os peregrinos contornam as rotundas
E de repente lembrei-mas das minhas tartarugas! Que são répteis, animais de sangue frio, e já cá estão no mundo há muitos milhões de anos! E não são, reconhecidamente, animais especialmente inteligentes. E também elas, quando vêem um obstáculo à frente, não o contornam, passam simplesmente por cima dele! Estes peregrinos católicos também são iguais. Têm uma inteligência de réptil. Mas ainda assim duvido que as minhas tartarugas acreditem que os santos aparecem no meio das árvores. 

Conversas Improváveis 12

Via Pinterest

Eu até rezei à Nossa Senhora, mas a planta morreu na mesma.
- Eu nunca mais lhe rezava!
Ai rezo rezo.

(Fia-te na virgem e depois não cuides das plantas como deve ser)

Outro tipo de Crise

Via Pinterest

Observava a minha mãe a retirar comida da lata e a dar à gata que teve quatro gatinhos há umas semanas. E teci o seguinte comentário:

"Hoje em dia os gatos comem melhor do que vocês comiam há cinquenta anos. Provavelmente, quem vos dera ter tido tantas vezes dessa comida para gatos para comer quando eram crianças. Fala-se muito de crise agora, mas hoje vivemos outro tipo de crise".




quarta-feira, 3 de maio de 2017

Festa Continente em Fátima no 13 de Maio

Depois de se ter associado a Arte Parola de Joana Vasconcelos à comemoração dos cem anos da maior aldrabice contada em Portugal - as aparições de Fátima e consequente canonização dos pastorinhos - soube agora de fonte segura (acabei de inventar e colocar na net - logo é verdade absoluta!) que o Santuário de Fátima acaba de convidar o Continente e a família Carreira para o piquenique anual, desta festa, não na relva de um qualquer parque, mas no asfalto do recinto de Fátima.

Via Google
Santíssima Trindade. Limite do Défice  3%. Três Pastorinhos. Três eventos parolos 

Fé parola, Arte Parola, Música Parola. Tudo a condizer. Esta Festa será convertida depois em Festival anual. 

segunda-feira, 1 de maio de 2017

Oração à Santa Vacina

Rezemos todos a oração que a Indústria Farmacêutica nos ensinou:

bigtitsphoto.org


Santa Vacina, que estás nas Farmácias, 

Santificado seja o Vosso nome

Venha a nós a vossa Ciência, para encher os bolsos da Indústria Farmacêutica,

Seja feita a Vossa vontade, senão obrigamos todos a tomá-las.

A espetadela da seringa nos dás hoje, só nos fará bem,

Perdoais os hereges que não as querem tomar,

porque nós queremos queimá-los na fogueira.

Não nos deixeis pensar pela nossa cabeça, 

e livrai-nos de todas as doenças.

Ámen

Carta a Deus

"Deus,
Bem avisaste que eras um Deus invejoso e vingativo. Também sei que Job era um caso-limite: uma ameaça do que eras capaz. Nem eu nem a Maria João temos um milésimo da obediência e da resignação de Job. E castigaste-nos menos. Mas foi de mais.
De certeza absoluta que nos amamos mais um ao outro do que te amamos a Ti. Sabemos que isto não está certo. Mas foste Tu que nos fizeste assim. Admite: deste-nos liberdade de mais. Foste presunçoso: pensaste que Te escolheríamos sempre primeiro. Enganaste-Te. Quando inventaste o amor, esqueceste-Te de que seria mais popular entre os seres humanos do que entre os seres humanos e Tu. Por uma questão de tangibilidade. E, desculpa lá, de feitio. Tu, Deus, tens o pior das arrogâncias feminina e masculina. Achas que só existes Tu. Como Deus, até é capaz de ser verdade. Mas, para quereres ser um Deus real e humanamente amado, tens de aprender a ser um amor secundário. 


Sabemos que és Tu que mandas e acreditamos que há uma razão para tudo o que fazes, mesmo quando toda a gente se lixa, porque não nos deste cabeça para Te compreender. Esta deficiência foi uma decisão tua: não quiseste dar-nos a inteligência necessária.
Mas deste-nos cabeça suficiente para Te dizer, cara a cara, que nos preocupamos mais com os entes amados do que contigo. Ajuda a Maria João, se puderes.
Se não puderes, não dificultes a vida a quem pode ajudar. Faz o que só um Deus pode fazer: reduz-te à tua significância. Que é tão grande.

Como é Linda a Puta da Vida / Miguel Esteves Cardozo / 2013

A Floresta Sussurra o Meu Nome




... "come to me my pale enchantress
in the moon of the woods we kiss"...



The Forest Whispers My Name / V Empire / Cradle of Filth / 1996


domingo, 30 de abril de 2017

Por que é que não tenho nenhuma Religião?

"Pensa muita gente - quase toda a gente que, dizer Deus, é dizer religião. E, em Portugal, é dizer missas, templos, rezas, Fátima, procissões, promessas, santuários, padres, bispos, ou pastores, frades, freiras, conventos... Como se Deus gostasse dessas coisas beatas de que, hoje, felizmente, as novas gerações já não gostam, ou gostam cada vez menos. (...)

As religiões sempre têm estado presentes na vida dos povos, desde o princípio. Hoje, também (felizmente, cada vez menos). Pensamos - têm-nos levado a pensar - que esta constante sociológica é um bem. E que é, até, um dos frutos da Presença/Ação do Espírito de Deus no Mundo. 
Nada mais errado! As religiões não são um bem. Muito menos invenção de Deus. São um mal. E invenção dos seres humanos mais assustados perante um mundo e uma natureza que eles não conhecem suficientemente, e por isso, não controlam nem dominam. O medo criou os deuses. E as religiões. 

Com as religiões, vieram ao mundo muitos outros males. Podemos até dizer que elas são algo de perverso no ser humano. Não são, como se diz, o que de melhor há no ser humano. São um aspeto do que há de mais perverso no ser humano. Só assim se compreende que elas sejam fonte de ódios, de guerras, de fanatismos, de desumanidades de toda a ordem. Inclusive, nos ambientes do Antigo Testamento, em que o povo hebreu se tinha por povo eleito de Deus e, por isso, passava ao fio da espada e lançava ao anátema geral as cidades vencidas, só porque seguiam um Deus ou deuses distintos do dele. 

Mas por que é que digo que as religiões são um aspeto do que há de mais perverso nos seres humanos? Porque as religiões são meios inventados pelos seres humanos através dos quais as respetivas elites dirigentes tentam dominar Deus, colocá-Lo ao seu serviço e ao serviço dos seus interesses pessoais, familiares, de clã, étnicos ou de nação. Para que, assim, os crimes que cometam contra a humanidade deixem de ser crimes, passem a ser obra boa e santa, cruzada, guerra santa e outras coisas perversas do género! Ou seja, para que Deus fique sempre como o canonizador de todos os crimes que cada povo possa cometer contra outros povos. Só que um Deus assim, manipulado, domesticado, ao serviço de certos interesses de grupo, por maior que esse grupo seja, não é Deus, mas um ídolo!

Por isso as religiões são idolatria. Tudo o que fazem é para tentar ter Deus por sua conta, ter Deus ao seu serviço. Nem que para isso de imolar em honra dele o que as populações têm de melhor, como são os filhos são e escorreitos. Como aconteceu também entre nós, em Fátima, com aquelas duas crianças supostamente "videntes", condenadas a ter de morrer antes do tempo. Para que Deus, agradado com esta imolação de inocentes, contivesse a sua ira contra os pecadores, e eles já não tivessem de ir penar para o inferno eterno!...
(...)

E Deus disse: Do que eu gosto é de política, Não de Religião / Padre Mário Oliveira (2002)

Conversas Improváveis 11

Pode-me mandar foto se faz favor?
- Sim, dê-me o seu e-mail que envio para lá.
Desculpe mas não tenho e-mail. Mande-me para o messenger para o fac.

(Foda-se! O Messenger acabou há uns anos quando a Microsoft comprou o Skype. A gaija quer que eu lhe mande para o fac? Que raio será o fac? Faculdade? Na volta é alguma merda nova que surgiu e eu ainda nem sei o que é...)

Senão mande por mensagem.
- Não dá porque o meu telemóvel é muito antigo.

(Por acaso não é assim tããão antigo pois até tem câmara e tudo - que modernice! - mas agora as MMS, com o advento dos telemóveis com internet pagam-se - sabias?!)

AH, não tem fac?
(Foda-se, e ela a dar-lhe com o raio do fac!!)
- Não sei o que é isso.
Facebook

Castor Troy / Nicolas Cage /Face Off

A sério? "Fac" é Facebook? Toda a gente que envia mensagens abreviadas para o telemóvel deveria nascer-se um azevinho no cu! Para quem não sabe, as abreviaturas começaram-se a usar nos telemóveis, porque as mensagens escritas pagavam-se! E então poupavam-se espaços e carateres! mas desde há muitos anos que as mensagens escritas não se pagam! Então porque caralho é que há pessoas que continuam a abreviar? É por preguiça? Esperem! Querem ver que também abreviam quando vão à casa de banho? Tu queres ver que também há pessoas que cagam e puxam as calças para cima para ser mais rápido e abreviado? Se calhar há!

Depois outra coisa. Quer dizer, tu não tens e-mail mas estás registada no Facebook? E eu que pensava que para tudo que é preciso um registo na internet era preciso o e-mail. Mas tu queres enganar quem?

Jogo do Dia: Só gostamos de pessoas que sejam como nós?

Inquérito em jeito de passatempo no site do The Guardian:

Será que somos atraídos por pessoas como nós - mesmo quando são desagradáveis? Um ponto comum nos estudos psicológicos é que tendemos a ser atraídos para pessoas que são como nós. Mas isso é verdade mesmo quando a outra pessoa tem traços de personalidade desagradáveis? E, mais importante, o que é que as tuas respostas dizem sobre sua própria personalidade?

Quanto é que gostas de pessoas que mostram cada uma das seguintes características numa escala de 1 (extremamente desagradável) a 5 (extremamente simpático): 

a) (antagonism) conflituoso; B) manipulador; C) (grandiosity) grandiosidade (?) ; D) busca por atenção.


O resultado médio é obtido adicionando-os e dividindo por 4. Se marcaste entre 1 e 2, então tu estás na média: a maioria das pessoas acha que os hostis, manipuladores, gente que procura atenção com uma opinião exagerada de se mesmo bastante insuportável. Se o resultado deu-te 2 ou mais, então tu mesmo podes ter uma tendência para esses traços desagradáveis. 

Um estudo recente em Houston, Texas, descobriu que as pessoas que se classificam como possuindo esses traços negativos também são menos ofendidas por essas características do que o resto da população. Eles classificam esses traços como indesejáveis ​​(cerca de 2 pontos na escala de 5 pontos), não tão indesejáveis ​​quanto a maioria das pessoas os classifica (uma média entre 1 e 2). Curiosamente, o mesmo estudo descobriu que as pessoas que possuem esses traços negativos classificam características positivas como a consciência como menos desejáveis ​​do que a população em geral.

Então, sim, nós gostamos mais de pessoas que são como nós, mesmo que eles sejam bastante desagradáveis.

____________________________________________________________________________

Isto é extremamente curioso quando ainda ontem, em conversa, eu me questionava se seria possível eu ter um relacionamento com alguém extremamente conservador, e que votasse, por exemplo, nos partidos da extrema-direita (PSD / CDS).
Até recordo de novo quando o Torrejõn, um colega de estudou comigo, e era a pessoa do grupo com quem criei mais empatia, e me contava quando descobriu que a namorada da altura, tinha votado no Bloco de Esquerda! Um ultraje! sendo ele de extrema-direita (mas extrema a sério! PSD/CDS é para meninos!) e que achava que os pretos e homossexuais e doentes com SIDA era metê-los todos numa ilha e mandá-los pelos ares; que tinha nos Estados Unidos um exemplo de país; que defendia com unhas e dentes as touradas. Tudo coisas que eu abomino!

Mas não estou certo que pessoas com diferentes visões do mundo não se possam apaixonar. Mas acho que não será fácil. Uma pessoa que tem uma visão do mundo completamente diferente da nossa, não nos vai conseguir compreender, ou não vai conseguir ver as coisas do nosso ponto de vista, e se não nos sentirmos compreendidos, será que nos conseguimos sentir amados? Não sei. Dificilmente.

Por isso estes estudos chegam à conclusão, óbvia, que gostamos mais de pessoas que são como nós.

Ótimo para o Turismo!


Adelino Maltez - Politólogo 

No centenário das “visões”?

Nem me fale em Fátima que o meu avô esteve lá no dia do "milagre do sol"... Foi de propósito e não viu nada! Ainda na semana passada me convidaram a ir a Fátima a um colóquio do Centro Nacional de Cultura e eu contei isto. "Sou maçon e não acredito em Fátima." Mas vamos proibir Fátima? Claro que não! A República inventou o busto da República e chamou-lhe "Marianne" e o que fizeram os católicos? Roubaram-na e, em 1917, inventaram a "marianolatria", nascida em cima de um culto popular céltico. Só um parvo diria que não deveria haver culto de Fátima. É óptimo para o turismo, para a república e para o País. É excelente que António Costa receba Francisco!



sábado, 29 de abril de 2017

Ainda as Putas & Bebedeiras

Amar é um verbo. Demonstramos o nosso amor através de acções. E uma pessoa só se sente amada quando a outra lhe manifesta o seu amor com beijos, abraços, carícias e demonstrações de generosidade. Uma pessoa que ama procurará sempre o bem-estar físico emocional da pessoa amada. 
Ninguém acreditaria que uma mãe ama o seu filho se não o alimenta, se não trata dele, se não o cobre quando está com frio, se não lhe oferece os meios para para poder desolvolver-se e tornar-se independente. 



Ninguém acreditaria que um homem ama a sua mulher se em vez de lhe proporcionar dinheiro para as despesas o gasta em bebedeiras e em putas. Um homem pensar primeiro em satisfazer as necessidades da sua família e não as suas é um ato de amor. 

Tão Veloz como o Desejo / Laura Esquivel / 2001

terça-feira, 25 de abril de 2017

Anti-socializar por aí...

Afastei-me do maralhal. O evento surpresa que se realizava no piso superior não era coisa para mim. Apesar de julgar ser muito sociável, na verdade, ironicamente, sou também bastante anti-social. Parece um contrasenso mas não é.
Mas eu conseguia ouvir bem ao longe que aquilo não era mesmo para mim! E pé ante pé, fui-me afastando e acabei por ir até ao pequeno parque de merendas onde tinha um campo de futebol de cinco. Os putos, três da terra, e outros três que tinham ido connosco, andavam por lá a jogar e fiquei a vê-los. Geralmente nestas idades nunca ninguém consegue explicar aos miúdos o que é o futebol: um jogo com duas equipas mas só com uma bola e em que o objetivo é passá-la, de jogador em jogador, até consegui-la enfiá-la por entre os postes. E os putos fazem o oposto, em vez de fazerem a bola correr, correm feitos malucos com ela nos pés. Até a perderem. Para fazerem isso, deveriam inventar um outro jogo, em que cada um jogava com uma bola. 
Um dos putos da equipa da terra, acho que era o mais alto, mexia-se com os tiques do Cristianinho. Talvez seja normal. Eu não via putos a jogar há muitos anos, mas os putos imitam sempre os ídolos. Talvez hoje os putos joguem todos a imitar o Cristianinho. Eu por exemplo, tinha a mania de me movimentar como o Caniggia, ou o Poborsky ou o Kulkov...! Bom, isto depois de me ter passado aquela fase de querer imitar o melhor guarda-redes do mundo. 



Passado um bom bocado chega uma mulher do nosso grupo, e que fiquei a saber que era mãe de um dos putos. Talvez seja mais ou menos da minha idade. Baixa, cabelos pelos ombros, pintados, talvez entre o loiro e o cor-de-laranja. Facilmente a identifico só pela voz grave e anasalada como a da Sónia Tavares. Ela ficou uns metros à minha frente sentada noutro banco. Eu continuava também sentado, sozinho, a observar os putos, mas agora mais interessado em observar a mãe.  A mãe ia dando instruções. Fazia comentários. Até que a mãe foi também jogar e foi para a baliza. E as regras subitamente mudaram: "se alguém chutar de força leva vermelho". 

Mais adiante, lá ao fundo, depois do campo de futebol, tinha saído o grupo de pessoas que por lá tinha estado à sombra. E passado um bocado um puto que passou por lá achou um telemóvel ou televisor. Os telemóveis agora são quase do tamanho dos televisores. Longe vão os tempos em que os homens competiam para ver quem o tinha mais pequeno. O Adulto dizia-lhe que ele ia fazer alguém feliz, alguém que já poderia ter dado conta que tinha perdido o telemóvel. Mas ainda assim o puto advertia "Se não for de ninguém fica para mim"!

Nos dias de hoje não sei qual seria a percentagem de crianças que, achando um telemóvel que mais parece um televisor o iria entregar. Se calhar estou a partir de um princípio negativo, é possível, mas ainda assim, o puto marcou uns pontos, ou melhor, as pessoas que o educaram a entregar o que não é dele marcaram pontos.  

E foi só mais um dia a anti-socializar por aí. 

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Sinto o tempo passar quando....

Sinto o tempo passar quando olho com aquele olhar que tira as medidas, não predador mas quase lascivo, naqueles segundos em que passo de carro e vejo uma jovem que espera pela camioneta na paragem. Na mesma paragem onde eu, durante tantos anos também esperei. Dias depois apercebo-me que a jovem é filha da Mafalda, uma menina que estudou comigo na Telescola



Esta curta publicação estava para ter por título "Sinto-me velho quando...", mas a verdade é que, apesar dos cabelos brancos irem proliferando cada vez mais (apesar de ser sempre preferível ter neve nas telhas, do que ver as telhas voar!) mas na verdade continuo a sentir-me o mesmo miúdo de sempre. Parece cliché mas acho mesmo que a velhice está na cabeça, apesar de, como é lógico, com o tempo o corpo começa a não corresponder como antes, e que o digam os jogadores da bola. 
Mas há tanto puto envelhecido por aí...


domingo, 23 de abril de 2017

Shhh


Na Calçada das Carquejeiras - Porto

Bufo-real


O Bufo-real (Bubo bubo) é uma espécie de ave estrigiforme pertencente à família Strigidae. É, atualmente a maior espécie de coruja existente no planeta, chegando a 86 cm de comprimento, 1,70 a 2,10 metros de envergadura e pode pesar até 5,5 quilos.O Bufo-Real tem uma longevidade bastante extensa que pode variar de 10 a 20 anos. (Wikipedia)

sábado, 22 de abril de 2017

Porto Antigo - Porto Atual

Antiga Praça Almeida Garrett
Vista para a Rua Mouzinho da Silveira e Rua das Flores

sexta-feira, 21 de abril de 2017

Acabe-se Já com a Medicina - Obriguem-se as Pessoas a Rezar aos Santos!

Tenho acompanhado ao de leve a discussão acalorada, por causa da enorme pandemia que Portugal atravessa de milhões, milhares, centenas, afinal parece que são vinte pessoas infetadas com sarampo. Tem sido uma tragédia, algo nunca antes visto, tal é a forma como os média portugueses não falam de outra coisa! E a discussão faz-se entre os dogmáticos defensores das vacinas, e aquelas ovelhas tresmalhadas, que como eu, gostam de questionar e analisar as coisas com outros olhos. 

E após uma breve análise já tirei as minhas conclusões. E o que eu acho é que se deveriam fechar os hospitais e deixar de formar médicos e enfermeiros. Deveria-se acabar já com a medicina! 
E deveria-se obrigar toda a gente, não a tomar todas as vacinas que a Santa Indústria Farmacêutica prescreve, mas sim, sempre que uma pessoa estivesse doente, obrigá-la a rezar à Santinha de Fátima e aos Pastorinhos, pois como se vê hoje na primeira página do jornal mais credível do país, os novos santinhos de Fátima já curam as pessoas!
Os milhões que se vão poupar ao SNS e em absentismo ao emprego! E com isso este governo de esquerda, já pode baixar a idade da reforma para os 50 anos! A fé é sem dúvida o melhor tempero. 


E eu acho realmente muita piada a quem se manifesta violentamente contra quem não segue a cartilha de que todas as vacina são boas, e que tudo o que a indústria farmacêutica coloca no mercado é para o bem da Humanidade. E eu vi algumas coisas que se têm escrito na blogosfera. De repente, até eu já pareço um terrorista fanático! Mas só ainda não percebi é qual será o interesse escondido das pessoas que ousam questionar as vacinas. Questionar e procurar esclarecimento, hoje em dia é crime, mais ou menos como era na Idade Média era crime mortal questionar Deus. 

Mas o meu interesse eu sei qual é. É questionar e tentar ficar minimamente esclarecido. É principalmente ousar pensar pela minha própria cabeça e não aceitar qualquer monte de merda que aparece nas televisões e nos jornais como uma verdade universal. É também saber que o negócio da saúde das pessoas só é ultrapassado pelo negócio de armas, tirando isso, nada dá mais dinheiro que o negócio da falta de saúde das pessoas. E é saber o que se disse por alturas da gripe A. Vinha aí, não o Diabo, mas uma enorme pandemia. Milhões e milhões de pessoas iriam morrer. Todos tinham de tomar a vacina, todos tinham de comprar aquele líquido desinfetante para as mãos (que em França foi proibido) e ia ser um caos. E é saber, que mais de 50% dos médicos e enfermeiros - grupo de risco! - não as tomaram! 

Mas se aparece nos jornais e nas televisões que os santos fazem milagres e curam as pessoas, então, acabe-se já com a medicina e os hospitais. Não obriguem as pessoas a tomar vacinas, Obriguem sim toda a gente a rezar! Fica muito mais barato!

Mas atenção, rezem de forma correta, com a correta devoção! Há muita gente que vai a Fátima a pé e depois acaba atropelado. Ou como uns tios da minha mãe, que num dia foram a Fátima rezar e à noite chegaram a casa e tinha a própria casa em ruínas por causa de um incêndio.

Rezem todos à Santa Vacina, mas cuidado, rezem com devoção, porque às vezes a coisa pode mesmo dar para o torto. 

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Hoje não te vais Sentar no teu Lugar


Via Pinterest
Obviamente que não existem lugares marcados à mesa. Mas habitualmente cada pessoa ocupa sempre o seu mesmo lugar, e eu tomo sempre o meu. Hoje uma colega, que de vez em quando parece querer saltitar de lugar em lugar, decidiu que haveria de se sentar, naquele que é, habitualmente, o meu lugar à mesa do refeitório. Não podendo eu sentar-me no colo dela, ocupei o lugar à sua esquerda que é, habitualmente, o lugar de um outro colega. E conforme as restantes pessoas foram chegando, toda a gente foi ocupando um lugar, diferente daquele que é, habitualmente, o seu lugar. 

E assim se prova, como uma pequena decisão de uma pessoa, pode modificar a rotina de de todas as outras pessoas. 

domingo, 16 de abril de 2017

Universo: queres falar?

Há sempre mais um gato, aqui ou ali, ou a aproximar-se de mim para me assombrar. O que me vale é que eu quase nunca me lembro dos meus sonhos, se não, provavelmente iria descobrir agora que os meus piores pesadelos envolviam gatos.

A última conversa que tive com a Paula foi sobre quê? Gatos precisamente. Depois a Paula desapareceu. Para sempre. Não estou nada a ser trágico, nem dramático. É verdade. Espera... deixa corrigir, pelo meio ela deixou aqui um ou outro comentário. Mas isso não conta porque não voltamos a falar. Se um dia te encontro Paula, vais levar tantas nesse cu até ele ficar vermelho como a camisola do Benfica! 

Mais recentemente foi a Sofia. Penso na Sofia constantemente, pelo menos todas as semanas é de certeza. Talvez eu lhe devesse telefonar, ao menos para saber se está tudo bem com ela, mas não sei. Já no ano passado lhe enviei mensagens de telemóvel, e já lhe enviei um e-mail este ano. Não responder acho que é sinal suficiente que não quer falar comigo, e na realidade já não falamos vai para um ano. Bem, ao menos eu sei onde ela mora. E é curioso que a Sofia tinha-me dito que acreditava que eu seria das poucas pessoas que levaria como amigo para a vida, ainda por cima sendo eu uma pessoa com pénis. Sempre nos demos muito bem e acho que ela sempre soube o quanto gosto dela. Pois é... tudo corria bem até ao dia em que eu escrevi sobre gatos, aqui no blogue.


Sim, para mim foi uma discussão completamente parva, ao estilo de o-meu-clube-é-melhor-que-o-teu. Mas para a Sofia não foi. Foi grave porque encarou as coisas de forma pessoal. Claro que ela sabe muito mais sobre o assunto que eu, e sentiu como se eu a estivesse a atacar pessoalmente, mas não foi nada disso. Pelo menos esta é a minha versão, a dela será sempre um pouco diferente. Eu entendo perfeitamente o que pessoas como ela defendem e o mérito que essas pessoas têm em desenvolver o trabalho que desenvolvem, mas eu tenho a minha própria visão das coisas. Não se trata se discutir quem está certo ou errado, porque o mais estúpido, é que se calhar, até estamos os dois certos. 

Mas isso não interessa para nada. O que interessa é que eu perdi a amizade de uma pessoa que me era especial. E eu sinto-me culpado apesar de também achar que, uma discussão sobre gatos não deveria ser o bastante para acabar com uma amizade de anos.  

E se durante tantos anos os gatos andaram afastados da minha vida, agora são uns atrás dos outros que vão constantemente aparecendo. Gatos, gatos e mais gatos. Olha, ali um, na estrada atropelado. Eu sei Paula, que morrem muitos gatos atropelados na estrada. Esta semana, a gata da vizinha teve quatro filhos em casa dos meus pais. Eu sei Sofia, a importância do planeamento familiar para os gatos. 

E esta semana, mais um gato, veio miar para a minha beira em minha casa.
Universo: queres falar?

Ridículo e sem Noção

Desejar uma "Santa Páscoa" a quem não conhecemos é como desejar um santo Ramadão. Ridículo e sem noção.  (Fernanda Câncio)



Eu confesso que fico um bocadinho fodido quando entro numa loja, supermercado ou outro sítio qualquer, e toda a gente que me atende desata a desejar-me bom Natal ou boa Páscoa sem me conhecer de lado nenhum, e sem eu exibir uma cruzinha ao peito. 

Se agora até saiu uma lei europeia que permite, por parte do patrão, a proibição da exibição de símbolos religiosos, acho que dentro dessa neutralidade, bastaria o bom senso para dar indicações aos trabalhadores, para não partirem do pressuposto que determinado cliente é cristão, muçulmano, budista, pagão, ou de outra qualquer religião. 

sexta-feira, 14 de abril de 2017

As Mamas e as Bombas


Operatic - Eugenia Loli

"Por outro lado, e visto por esta ótica, não acham que seria muito interessante poder prever as reações que teriam face a certos estímulos os governantes que vamos eleger? Seria sensacional poder saber se um par de mamas é capaz de enlouquecer um indivíduo e torná-lo capaz de lançar bombas ou desencadear uma guerra para resolver os seus problemas sentimentais."

Livro das Emoções / Laura Esquivel (2000)


A Mãe de Todas as Bombas

Candy Bomber (2014)




Dúvida Existencial: Semana Santa



Visto que em Portugal não existe separação entre a lacidade do Estado e a Religião, e hoje até é feriado católico e tudo, surge-me contudo uma dúvida existencial:

Se estamos em plena "Semana Santa", por que é que então só é feriado na Sexta-Feira? A Segunda-Feira também não é Santa? Nem os restantes dias da semana porquê? Para quando então uma semana inteira de férias devoção e fé e os católicos terem tempo de limpar a casa e os passeios para a visita pascal? 

...nem bom Comportamento

Ainda nem uma semana passou desde a notícia de que mil alunos portugueses, na casa dos 18 anos foram expulsos de Espanha, e já outra notícia ecoa além fronteiras: o aberrante caso dos cânticos da claque troglodita do Futebol Clube do Porto, que nem a memória dos mortos da Associação Chapecoense respeita, nem tem respeito pelos próprios adeptos do clube que repudiam tais manifestações, e isto poucos dias depois de um dos elementos da claque ter, em campo e para toda a gente ver, ter partido o nariz de um árbitro de futebol. 

Eugenia Loli

Em Portugal, como em quase todos os países, gostamos de rebaixar os nossos vizinhos, no nosso caso os espanhóis, e usamos um provérbio que diz que "de Espanha nem bom vento nem bom casamento". Pois o que eu acho é que na verdade quem tem telhados de vidro não deveria atirar pedras aos outros, porque pelo que se tem visto: de Portugal nem bom vento, nem bom Comportamento.

quinta-feira, 13 de abril de 2017

O Pedido de Desculpa

Isolado no meio do maralhal, aproxima-se um senhor já conhecido de outras andanças, com idade para ser meu pai e diz-me:

"Lembra-se daquela caminhada às minas em Paredes? E lembra-se de estarmos no restaurante e eu ter-me exaltado e ter sido inconveniente consigo? Já há muito que andava a ver se o encontrava para lhe pedir desculpa. Aquilo não foi normal, eu não costumo agir assim e queria-lhe pedir desculpa."



Costuma-se dizer que as desculpas não se pedem, evitam-se. Mas neste caso o pedido de desculpa desarmou-me completamente, talvez por já ter passado tanto tempo. Está quase a fazer um ano desde essa ocorrência, e o senhor ficou a remoer naquilo. Eu e ele não temos qualquer relação. Somos simplesmente dois estranhos que nos juntamos em determinados eventos. Ele não precisa de mim para nada, tal como eu não preciso dele. Mas ele fez questão de vir junto de mim pedir-me desculpa. E isso tem de demonstrar alguma grandeza, pois talvez até seja quando erramos que nos podemos mostrar humildes e nobres. Este pedido de desculpa como que, de imediato, limpou a má imagem com que eu tinha ficado, e ao mesmo tempo criou uma imagem positiva.

"Ah não pense mais nisso" disse-lhe enquanto lhe afagava o braço. 

De facto deveríamos evitar começar falhar com os outros para evitar ter de pedir desculpa. Mas infelizmente não somos perfeitas. E para que haja uma reconciliação é preciso perdoar, mas primeiro é conveniente pedir desculpa.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Admiração pelo Outro

theodysseyonline.com

"Eu acredito piamente, que uma relação amorosa, para durar, tem de incluir uma dimensão de admiração pelo outro. Cuidado. Não idolatria. Mas nós temos de admirar uma ou outra coisa pelo menos no outro."

Júlio Machado Vaz



domingo, 9 de abril de 2017

A Saudade


"...não digas a ninguém
mas esta noite vou partir...
...para encontrar de quem tenho saudades"


"The longing" / Pirate Scum/  Storm Seeker (Versão Hurdy Gurdy) / 2016

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Erica

O android mais bonito e autónomo do mundo... 
ou como o futuro está mais próximo do que podemos pensar

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Pinturas Faciais

"Acho que dos meus seguidores és o único que não usa maquilhagem". 

Via Pinterest
Estaríamos em 2006 ou 2007, por aí. Certo dia reparo num dos jovens que fazia trabalho temporário lá na empresa. Ele tinha uma cara estranha. Não é que o gaijo tinha as sobrancelhas aparadas, de onde já nasciam novos pelos? Já antes tinha reparado, que os pelos das mãos peludas de um colega, que até tinha responsabilidades de chefia, tinham, subitamente, desaparecido! Desde logo percebi que estava aberta a Caixa de Pandora: não faltaria muito para que em breve eu fosse um autêntico homem das cavernas!

Maquilhagem nos homens, para mim, era coisa de bandas de Black Metal. E é curioso que a esse respeito, agora até me lembro de certa vez ter ido a casa do Tião, um colega do secundário. O Tião tinha o cabelo comprido, preto, abaixo dos ombros. Era baixinho e magro, e andava de Vespa. E andava também com umas camisolas um bocado rotas.

Certo dia ele fazia anos e íamos jantar num qualquer tasco do Porto com amigos dele, e ele disse para eu ir lá a casa dele. Um casarão. com vista privilegiada para o rio Douro, e com, por exemplo, uma bateria no quarto onde eu me pus para lá a bater como se percebesse alguma coisa daquilo. Ele pediu-me para eu o pintar com umas pinturas que comprou para o efeito. E pediu-me que o pintasse como um dos gaijos dos Immortal (na imagem), e eu até acho que a coisa nem correu mal.